Nota Fiscal Cidadã amplia movimento de solidariedade em Alagoas

Com a disseminação da campanha Nota Fiscal Cidadã (NFC), muitos alagoanos e instituições sociais cadastradas concorrem a diversos prêmios em dinheiro. Além disto, o Programa propõe a solidariedade e os impostos arrecadados ajudam na construção de um Estado mais consciente, realizando diversos investimentos nas áreas da educação, saúde e segurança. A iniciativa tem influenciado várias pessoas a realizarem doações às entidades sem fins lucrativos.

A exemplo da Associação Beneficente Santa Lúcia que ajuda e é ajudada por mais de 15 instituições sociais. Se há excedente em alguma delas, é cedido para outra que não possui ou ainda não tem o suficiente para sua demanda.

Os donativos recebidos são diversos: alimentos, roupas, calçados, acessórios, móveis novos e usados, brinquedos, cadeira de rodas, fraldas infantil e geriátrica, etc. “Não temos dia nem hora para receber essas doações”, afirma a coordenadora da Associação Santa Lúcia, Maria José Francisco Pauferro.

A Associação Beneficente Santa Lúcia ampara e promove pessoas há 21 anos. Atualmente, atende 156 crianças e 4.604 famílias diretas e indiretamente. Oferta cursos profissionalizantes, creche, escola, reforço, aulas de dança e informática.

“Além de ajudarmos a fundar instituições em todo o Estado e a se legalizarem. O programa Nota Fiscal Cidadã trouxe para nós, as instituições não governamentais, autoestima, credibilidade, conhecimento, partilha e amor ao próximo”, salienta Pauferro.

Outro exemplo é do departamento da Polícia Militar de Alagoas (PM/AL) que partilhou mais de 700 pacotes de leite e 40 fraldas geriátricas entre a Associação Acolhimento Mãe das Graças, a Associação Beneficente Santa Terezinha, a Casa para Velhice Luiza Marillac e o Instituto Espírita Manoel Batista, todas cadastradas na NFC. A ação aconteceu nesta quarta-feira (21) no comando geral da PM/AL, centro.

A Chefe especial de Educação Fiscal, Glacia Tavares, enfatiza que a campanha intensifica a cidadania e solidariedade. “O programa explica nas escolas qual é o papel do cidadão e do estado na construção de uma sociedade mais justa e igualitária. Ao ajudar outras pessoas, você também é beneficiado. Quem doa notas fiscais, dobra a quantidade de bilhetes eletrônicos para concorrer aos sorteios”.

Conheça as contempladas da vez

A Associação Acolhimento Mãe das Graças atua desde 2009. Há um ano participante da campanha, já ganhou aproximadamente R$ 75 mil que vai colaborar na compra de um veículo para ajudar no deslocamento dos 54 assistidos. Em sua maioria, acolhe idosos de baixa renda, por entender que fazem parte de um contexto social de exclusão.

Já a Associação Beneficente Santa Terezinha atende 132 crianças mais 600 famílias. Fundada em 1985, oferece ensino infantil, creche com esporte e informática para os pequenos, além de quatro refeições diárias. Para os adultos, dispõe de cursos profissionalizantes. Inscrita no Programa há um ano e meio, conquistou R$ 30 mil e pretende utilizar na aquisição de um novo automóvel.

Graças à campanha, a Casa para Velhice Luiza Marillac conseguiu acumular cerca de R$ 140 mil, promovendo uma série de reformas estruturais na sede. A entidade existe há mais de 60 anos e atende 38 idosas. Oferta moradia, assistência a saúde, alimentação, fisioterapia, lazer, inclusão social e cultural as idosas residentes. É beneficiada pela NFC desde 2016.

O Instituto Espírita Manoel Batista desenvolve trabalhos de assistência com oficinas para 30 gestantes e 50 idosos. Também auxilia 80 crianças, de 03 a 06 anos do pré-escolar (turno manha e tarde), com alimentação fornecida diariamente. Com mais de R$ 100 mil recebidos pela NFC, pôde reformar a estrutura física das salas de aulas, garantindo maior comodidade para os envolvidos. E é participante desde o início do Programa.

Para quem quiser ajudar as instituições mencionadas, basta entrar no link http://nfcidada.sefaz.al.gov.br/, adotar uma delas para compartilhar notas fiscais e/ou fazer sua doação pessoalmente na entidade, conforme endereço divulgado no site.

Ascom – 22/02/2018